quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Aldo, após reunião com o UFC: "Cada um tem que seguir seu caminho"

Campeão interino do peso-pena, José Aldo se reuniu nesta quarta-feira com o presidente do UFC, Dana White, e o matchmaker da organização, Sean Shelby, na sede da Zuffa, em Las Vegas, nos EUA. O encontro, que durou cerca de uma hora, não foi suficiente para o manauara mudar de posição quanto à sua aposentadoria do esporte.

- Foi ótimo, como a gente esperava. Falei tudo o que tinha que falar, está ótimo. Tem a parte deles e a minha. A conversa foi ótima, agradeci tudo o que fizeram por mim e agradeci ao Dana pela paciência. Não sei (se ainda volto ao octógono). O futuro vai dizer - declarou na saída da reunião.

Apesar de ter deixado o futuro em aberto, ao ser questionado se o encontro o faria repensar a decisão de pendurar as luvas, o lutador foi enfático:

- Por mim, já decidi. Não tenho que pensar mais nada. Não tenho que pensar ou fazer qualquer outra coisa. Sempre tive a ideia definida. Quando falo uma coisa, nunca é um blefe ou nada disso. Tenho a ideia na minha cabeça, sempre foi isso que eu quis. Foi isso que conversamos. Não teve proposta, caso a pensar ou não. Só passei meu ponto de vista, o carinho que tenho por eles e eles comigo também. É muito legal, mas cada um tem que seguir o seu caminho.

Em entrevista ao Combate.com, o técnico de Aldo, Dedé Pederneiras, deu mais detalhes sobre o que foi dito no encontro com Dana. No bate-papo, ele também declara que ainda não pode cravar que seu pupilo esteja aposentado:

- Eu te digo que hoje o Aldo está em vias de aposentadoria do MMA.

Confira o bate-papo na íntegra:

Como foi a reunião com o UFC?

Na verdade, a gente tinha que vir aqui para poder falar cara a cara. Acho que o tipo de reunião que a gente teve não é para você falar por telefone ou e-mail, é uma reunião que você tem que ter cara a cara depois de tantos anos, entendeu? E o Aldo continua com a ideia fixa de realmente se aposentar do MMA. Existem alguns problemas contratuais que estamos tentando resolver.

Qual é o principal problema, na sua opinião?

Acho que o problema maior hoje não é nem questão de se aposentar, é a questão de não estar mais motivado a lutar MMA, e essa é que é a verdade. Só que existe um problema do contrato. Faltam seis lutas no contrato e é isso que agora vai começar a se pensar. De um lado se falou uma coisa, do outro lado outra, então estamos esperando. Queria que o público entendesse que, na verdade, não existe uma raiva do Dana ou uma raiva do UFC, existe um momento em que ele chegou e disse: “Não quero mais. A minha motivação acabou. As coisas que aconteceram me fizeram desmotivar e eu não quero mais lutar MMA. E tem que falar na cara de quem tem que ouvir isso, né? Mas não com desrespeito. Tem que sentar numa mesa, negociar,  explicar que eu não quer mais e ver de que forma isso pode acontecer ou acabar com meu contrato, finalizar meu contrato”. E é isso que, a partir de hoje, vai começar a ser visto por eles: ver de que forma, se existe essa forma, se não existe, se ele continua preso no contrato, se não continua. Ele tem vontade de fazer outras coisas de esporte e, talvez, o contrato trave. Então teríamos que pedir uma permissão. Imagina se ele quiser fazer uma luta de kickboxing no Brasil, a gente tem que pedir permissão. Se eles falarem "não", está cancelada a luta. Então, pra ele não vale a pena fazer assim, e já que a gente veio aqui para resolver, veio para resolver de uma vez.

Resolveu?

Não. Vai ter que esperar realmente essa conversa entre o Dana e o resto do grupo agora, pois é um grupo novo, para poder ter uma decisão final do que vai acontecer no futuro.

E o coração de treinador nessa hora, como fica, ainda mais você que acompanhou o Aldo desde o início?

Eu tenho um grupo muito antigo na academia e o Aldo faz parte dele, né? Eu tenho meio que uma missão cumprida com esse grupo antigo. É o que eu falava sempre, às vezes tinha um que não tinha entrado no UFC ainda e aquele cara tinha acreditado, tinha largado  tudo e eu ficava: “Cara, se esse cara não entrar eu vou levar isso para o resto da minha vida”. Mas, graças a Deus, o grupo que acreditou em mim no início eu consegui colocar em grandes eventos. Esse grupo todo pode desfrutar de tudo aquilo que eu sonhei no início e eles entraram no meu sonho, quer dizer, foram “enganados” por mim, e vieram até esse momento. E quando o último entrou eu falei: “Graças a Deus, está pago, não devo mais nada a ninguém e daqui por diante é com eles”. Foi até depois disso que eu comecei a falar que ia me aposentar, porque, hoje, os que estão vindo novos, eu já tenho outras pessoas cuidando deles. Não são aqueles mais antigos que eu cuidava desde que pequenininho.



E se o Aldo se aposentar realmente, que é o que está na cabeça dele, ele já fez tudo o que tinha que fazer no esporte? Não teria nenhum arrependimento caso se aposentasse agora?

Acredito que não, ele está bem firme na decisão dele. Na verdade, ele já está com essa ideia da aposentadoria desde que não aconteceu a revanche imediata. Aquilo o frustrou de uma maneira absurda. Ele só teve gás para lutar com o Frankie porque eu perturbei e acho que foi até por isso que ele fez aquela declaração após a luta, porque foi duro colocar ele motivado para fazer mais uma luta na esperança de poder lutar com o Conor, como tinha sido prometido. E aí, depois que não aconteceu, você fala: “Caramba, enganei o cara!”. Porque eu falei o que me passaram, sempre falo porque o Dana sempre conversou comigo, sempre tive um excelente relacionamento com o Lorenzo, e os caras prometiam umas coisas e não aconteciam, mas a maioria delas sempre aconteciam. Então, eu sempre falei para todo mundo na minha academia: “a gente tem que acreditar no UFC, a gente tem que acreditar no Dana, porque ele está sempre aí, foi ele quem fez o esporte chegar onde chegou, então a gente tem que dar o voto de confiança”. E, quando não aconteceu, eu fiquei numa situação muito ruim. Hoje, eu não tenho digamos “crédito” para defender o que sempre defendi. Eu continuo acreditando no que o Dana e o Lorenzo fizeram, não mais o Lorenzo, porque não está dentro realmente, mas o que os caras fizeram. Se não fossem eles a gente não estaria aqui fazendo isso que estamos fazendo agora, ou eu não teria a quantidade de atletas que tenho dentro da minha academia sonhando em estar dentro do UFC. Então, quer dizer, por mais que as pessoas falem mal, para, pensa e vê o que era o MMA antes da entrada dos caras. Eu sei porque eu vivi, sei porque eu estive ali e vivenciei isso, então sei em que buraco eu já me enfiei levando atletas e onde eu cheguei no UFC com eles. Podem falar o que for, mas não podem tirar o crédito do Dana e do Lorenzo de ter levado o UFC e o MMA aonde a gente chegou, e ter trabalho para quem trabalha com isso, e ter crianças que, em vez de serem jogadores de futebol, sonham em lutar MMA e batendo na minha porta todo dia pedindo para chegar, treinar e chegar até aqui.

Depois dessa reunião de hoje, podemos cravar Aldo aposentado?

É difícil falar isso, né? A gente depende de algumas respostas. Eu sou o tipo do cara que, quando eu falo que a pessoa está aposentada, ela está aposentada, ela não se aposenta cinco vezes. Você vê lutadores de boxe falando: “Hoje é a minha luta de aposentadoria” e você vê nitidamente que é para arrecadar muito dinheiro naquela última luta e o cara um ano depois está de volta, se motivou de novo. Então, é difícil hoje eu chegar para você e cravar: “hoje o Aldo está aposentado”. Eu te digo que hoje o Aldo está em vias de aposentadoria do MMA.

Se o McGregor se aposentar, ou pedir um ano de pausa na carreira, como dizem os rumores, você acha que isso mudaria o pensamento do Aldo?

Na verdade, o Aldo não está nem pensando no McGregor. Muita gente pensou que o Aldo está chateado por conta do McGregor. O McGregor, para ele, tem a vida dele, entendeu? É lógico, fazer uma luta contra o McGregor seria ótimo. Mas acho que no momento todo mundo teve o pensamento errado da revolta do Aldo ser contra o McGregor. Depois da luta os dois se falaram, por acaso aconteceu até uma coisa engraçada…Depois da luta do Aldo com o Frankie, ele ficou uma semana aqui com a esposa, e parece que foi até sacanagem, porque o Lorenzo colocou o Aldo num quarto ao lado do McGregor. Então, chegaram os dois na varanda, um olhou para um lado, o outro para o outro, e estava um do lado do outro. Eles chegaram até a brincar. Na verdade não existe um rancor. Acho que as coisas que eu mais pude passar para os meus atletas, é que as pessoas tem que entender que esporte é esporte. Não é porque você perdeu para o cara que você tem que ter raiva dele. É isso.





Por: Evelyn Rodrigues/Combate
Foto: UFC

Nenhum comentário:

Postar um comentário