terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Popó aposta em vitória rápida de José Aldo e McGregor "capenga"

Neste sábado, Aldo vai para a sua oitava defesa de cinturão dos penas, na tão esperada luta contra Conor McGregor, no UFC 194, em Las Vegas (EUA). Com o confronto se aproximando, o LANCE! buscou a opinião o pugilista Acelino Popó, que já inclusive treinou com o campeão do Ultimate, para saber sua opinião sobre o combate que vai parar o mundo das lutas.

Segundo Popó, Aldo vai acabar com esse duelo de maneira rápida, sem dar muitas chances ao irlandês. O brasileiro aposta que os chutes baixos, uma das marcas registradas do atleta da Nova União,  será fundamental para que ele consiga o triunfo com velocidade.

- Não gosto muito de quem fala muito, tenta provocar muito, tentar tirar adversário do foco. Sou brasileiro, muito patriota. Gosto do José Aldo, sou fã e amigo dele. Falar que vai ganhar é lógico. Mas posso dar palpite. Acho que ele vence logo no primeiro round. O Aldo acaba com esse cara logo e vai deixar ele "capenga" com aquelas lambadas que dá nas pernas. O cara deve vir para cima, não vai durar muito, Aldo tem o boxe bom também - disse.

Uma das críticas do presidente Dana White em relação a Aldo é que ele não tem terminado suas lutas, sempre as deixando para a decisão dos juízes. Para Popó, ser campeão tem esse "prejuízo", pois os adversários o estuda bastante para dificultar sua vida na hora da peleja.





- As lutas de defesa são de conquista também. Esse negócio é como se fosse mais um título mundial que vai ele disputar. Os caras treinam muito, já conhecem os campeões, já estudaram muitos as lutas, qualidades e defeitos e é por aí nos que somos campeões, pois vencemos mesmo quando somos mais estudados - afirmou.

Uma das armas de Conor McGregor são as provocações. O irlandês gosta de mexer com o psicológico dos adversários para os prejudicar. No entanto, para Popó, isso não vai fazer efeito em Aldo.

- Acho que o Aldo faz bem isso, é muito tranquilo com isso. Já treinei 15 dias com ele. É um cara que é muito tranquilo. Quando o cara é tranquilo e tem foco, sabe o que vai fazer, não entra nesse jogo. Aconteceu isso comigo quando enfrentei o Jorge Barrios, ele me provocou, mas nocauteei no 12º round. Quando temos muito tempo de luta, sabemos nos comportar com vários tipos de adversário. Os piores adversários de verdade foram as dificuldades que passamos para chegar até o topo - completou.

Por: Luis Fernando Coutinho/Lance!
Foto: Ana Hissa

Nenhum comentário:

Postar um comentário