domingo, 8 de novembro de 2015

Thominhas e Glover dão show no UFC e destroem rivais com nocautes

Grande revelação do Brasil nos últimos anos, Thomas Almeida deu show lutando em casa. No ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, ele nocauteou Anthony Birchak no fim do primeiro assalto. Uma sequência de golpes definiu a vitória, deixando o norte-americano desacordado. Em seguida, foi a vez de Glover Teixeira repetir o script. O meio-pesado precisou ir ao segundo round, mas arrasou Patrick Cummins com facilidade.

Foi a 20ª vitória na carreira invicta do paulistano de 24 anos, que é oitavo do ranking dos galos. Destes triunfos, só um foi por pontos. São 16 nocautes e três finalizações para Thominhas, que já deve subir na lista de sua categoria e pode almejar uma disputa de cinturão já em 2016.

"Foi uma oportunidade única lutar na minha cidade. O Anthony é muito duro, um homem de verdade por vir aqui. Estou amarradão em ver minha carreira crescer", disse Thominhas. "Eu treinei pra tudo, o plano era esperar, sentir ele e na hora certa entrar com monha trocação."

O combate começou com muitos estudos. Tominhas aguardou, e viu o rival investir em tentativas de queda, neutralizadas pelo lutador da casa. Pouco depois, o combate ficou mais a cara do brasileiro, com trocação franca. Com cotoveladas e um soco, ele balançou o norte-americano.





Sempre batendo em sequências, ele aumentou o castigo, até conseguir desequilibrar Anthony novamente Birchak - começando com uma cotovelada giratória, acrescentando mais socos e encerrando com uma direita potente - e definir um nocaute impressionante com menos de um minuto para o fim.

Thomas Almeida, antes desta luta, venceu todos os 19 combates que fez, sendo que só um foi por pontos. Ele teve 19 nocautes, e o último foi o mais impressionante, com uma joelhada voadora sobre Brad Pickett, o que o levou a chegar à oitava colocação no peso pena.

Em uma categoria com um campeão ainda a pouco tempo no trono, TJ Dillashaw, e outros nomes que sofrem com lesões constantes – Dominick Cruz, próximo desafiante ao cinturão, e Raphael Assunção -, Thomas já sonha com grandes lutas em 2016. Se o corpo permitir e as coisas se alinharem, a meta é disputar o título já no próximo ano.

Já Birchak fez duas lutas no UFC. Perdeu a primeira, por finalização, venceu a segunda, por nocaute, e teve em São Paulo seu compromisso mais importante na organização.

Outro show: Glover Teixeira

Glover Teixeira também se deu bem e venceu sua segunda luta seguida, embalando novamente e já colocando na mira o cinturão dos meio-pesados. Ele precisou conter o ímpeto do wrestler Cummins, que de cara tentou quedas, conseguiu, mas não pôde manter o rival no solo. No meio do round, a trocação começou a funcionar, com jabs e uma esquerda que fez o norte-americano sentir. Outras boas sequências aumentaram a vantagem do lutador da casa. Com cinco segundos para o fim, quase o nocaute: Glover acertou nova série de golpes e fez Cummins ir para o corner trançando as pernas.

Na volta, Glover atacou com tudo. Chutes e socos só aumentaram o castigo. Cummins tentou uma queda, para se safar dos punhos do brasileiro, mas não surtiu efeito. Uma saraivada de cruzados, com ambas as mãos fizeram o árbitro ter de entrar no meio dos dois, parar a luta e decretar a vitória do brasileiro.

Glover Teixeira, quarto do ranking, chegou ao combate com Cummins (9º) para voltar a embalar no UFC. Depois de uma derrota valendo o cinturão de Jon Jones e outro revés que ficou entalado em sua garganta, contra Phil Davis, mudou o jeito como trata o corpo, melhorou a alimentação e venceu Ovince St-Preux.

Com Jones de volta ao jogo após seus problemas com a Justiça – deve enfrentar Daniel Cormier, o atual campeão, por volta de abril – os meio-pesados aguardam para ver se o norte-americano recupera o cinturão, e isso definirá os próximos passos daqui em diante, afetando diretamente o vencedor em São Paulo.





Por: Jorge Corrêa e Maurício Dehò/UOL Esporte
Foto: UFC

Nenhum comentário:

Postar um comentário