quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Rival de Ronda volta a ser zebra após reino no boxe e ganha dicas de Jones

Holly Holm reinou absoluta no boxe. Teve os cinturões das maiores organizações do mundo, defendeu os títulos 18 vezes e chegou a ficar sete anos sem perder um combate. Neste sábado, no entanto, ela volta a uma posição em que não se via desde 2005: a de zebra. Do outro lado do octógono, ela terá a compatriota norte-americana Ronda Rousey, grande estrela do UFC, no evento que promete ser o maior da história, com recorde de público. Mas, apesar do status de azarão, Holm sabe bem o que é reverter esse quadro.

A norte-americana de 34 anos pode ser considerada a rival mais experiente que Ronda terá pela frente. Seus anos no boxe, a prática que tem no kickboxing e o fato de ter sido forjada numa academia de ponta, treinando a nobre arte e depois passando ao MMA ao lado de gente como Jon Jones deixam claro que Holm sabe exatamente o que está fazendo, apesar de ter apenas duas vitórias dentro do UFC – nenhuma delas muito impressionante.

A luta contra Ronda leva Holm de volta a 2005, quando fez seu combate definitivo no boxe. Naquela ocasião, ela pegou a estrela Christy Martin. Poucos achavam que a loira poderia fazer frente à sensação do pugilismo.

“Eu tinha 13 lutas e Christy tinha mais de 50 lutas. Ela tinha lutado no card do Mike Tyson, esteve na capa da revista Sports Illustrated e foi condecorada – ela era uma espécie de pioneira do boxe feminino “, relembrou ela, ao site do UFC. Amigos e familiares a questionavam sobre os riscos.

Na hora da ação, Holm passou o carro. “Foi provavelmente uma das lutas mais fáceis que eu já tive fisicamente. Mentalmente foi uma batalha emocional e intensa. Eu acho que talvez um juiz deu a ela a vitória em dois rounds, e o resto… bom, o restante eu fui lá e limpei a casa – e facilmente''.

O que se seguiu a isso foi a época de domínio da lutadora. Até o fim de sua carreira, ela teve apenas uma derrota – um nocaute duro sofrido contra Anne Sophie Mathis -, que vingou em revanche. Fechou seu cartel com 33 vitórias, duas derrotas e um empate, além de dois prêmios como lutadora do ano.

Além de tudo que viveu no quadrilátero, Holm é uma veterana por tudo que a cercou no mundo das lutas.

A norte-americana de Albuquerque fez sua carreira na cidade natal. A “Filha do Pastor'', como foi apelidada, era uma estranha no ninho na academia Jackson's, em que treina o campeão dos meio-pesados do Ultimate, Jon Jones. Enquanto parte das estrelas fazia seus treinos de MMA, ela trabalhava seu kickboxing com o técnico Mike Winkeljohn, mas acabou se encontrando, de fato, só com as mãos, no boxe.

O sucesso nos quadriláteros não foi o suficiente. Em certo ponto, viu que o crescimento do MMA e a fama de gente como o parceiro Jon Jones eram mais interessantes do que o mundo do boxe feminino, ainda muito menosprezado.





“Eu conversei na época com meu técnico, Mike Winkeljohn, e ele me encorajou a ver que portas se abririam. Queríamos ver o que apareceria”, disse Holm, quando entrou no UFC. Ela só não imaginava que logo em seu terceiro combate estaria frente a frente com Ronda, em um estádio de futebol na Austrália.

Para esta luta, Jon Jones teve papel fundamental na preparação. “Jones ajudou Holm demais”, disse o técnico Brandon Gibson. “Jon é um líder e inspira os outros da equipe, além de ser criativo. Ele, (o técnico Mike) Winkeljohn e nossa equipe nos esforçamos muito por Holly. O Jon é um cara que traz uma visão e uma perspectiva diferentes, seja na parte técnica ou na mental, então isso ajudou muito a preparar nossa irmãzinha para essa luta pelo cinturão.”

Apesar de seu histórico no boxe, é bom salientar que Holm tem um jogo em pé completo e é extremamente talentosa com os pés. Contra Allanna Jones, ela conseguiu sua vitória com um belo chute alto. Além disso, tem garra acima da média. Diante da brasileira Julie Werner, a norte-americana superou uma fratura de um dos ossos do antebraço para triunfar.

O sonho de Holm é ousado, mas nunca esteve tão perto de se tornar realidade “Quero ser a primeira mulher campeã tanto de boxe quando MMA. Ninguém conseguiu isso, e sei que posso fazer”. Christy Martin sentiu na pele o melhor da pugilista Holly Holm. Neste sábado, veremos se o ápice no MMA será tão alto quanto o que ela viveu no boxe.

Por: Maurício Dehò/UOL
Foto: Reprodução/Getty Images/Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário