quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Joana Prado entende saída de Ronaldo e diz que Belfort perde milhões por ano: 'Luta virou hobby'

Vitor Belfort ganhou mais um motivo nesta semana para reclamar do já tão criticado acordo do UFC com a Reebok. Nesta semana, a empresa 9ine anunciou que não terá mais nenhum vínculo com a maior entidade de MMA do mundo ou com lutadores dela. A agência de Ronaldo tinha um acordo com Belfort, mas anunciou a retirada justamente por conta da Reebok.

Em conversa com o ESPN.com.br, a esposa e empresária de Belfort, Joana Prado, disse entender a decisão de Ronaldo de se retirar do UFC e voltou a reclamar do prejuízo que o próprio marido vem tendo.

"Eu como empresária entendo a posição da 9ine em se desligar do UFC. O Vitor perdeu milhões por ano por causa da nova política de patrocínios. Graças a Deus ele é um atleta que vai além das grades do octógono e tem outros negócios. A luta passou a ser um hobby, mas como outros lutadores ele foi muito prejudicado com esse novo modelo de negócio", disse Joana.

"Temos uma relação ótima com o Ronaldo, (Marcus) Buaiz (sócio de Ronaldo na empresa) e toda a equipe da 9ine e desejamos sucesso para eles", completou.

Vitor é um dos lutadores que vem criticando o acordo há tempos. O problema todo é que com a exclusividade da nova fornecedora de materiais esportivos, os atletas perdem a chance de fazer um dinheiro a mais negociando seus próprios contratos.





Belfort reclama do acordo desde o começo do ano, quando ele foi assinado. "Eu não nos vejo como a NBA. Eu não sou pago pela Blackzilians, como seria pelo Miami Heat. O que quero dizer é que nosso esporte é mais comparável ao tênis. Os tenistas precisam ter seus patrocinadores porque são eles que pagam todas as viagens, todas as despesas. Não é todo mundo que pode ganhar um campeonato e fazer muito dinheiro, então, vários tenistas precisam de patrocínio para viajar pelo mundo. Eu sou pago pelo UFC quando luto, mas, mensalmente, os patrocinadores nos ajudam também. Às vezes temos lesões, às vezes não lutamos. Na NBA os caras recebem mensalmente. Se sofrerem lesões, se não puderem jogar, ainda assim estarão ganhando dinheiro", disse, ainda em março.

A Reebok paga os lutadores por luta dependendo do tempo de vínculo deles com a Zuffa, em valores que variam entre US$ 2,5 e US$ 40 mil - o menor valor é para quem tem até cinco combates, e o maior para os campeões.

E, neste cenário, o rompimento da 9ine faz bastante sentido. Afinal de contras, o objetivo da empresa é justamente trazer novos patrocinadores para os seus atletas. A empresa de Ronaldo está no UFC há tempos. O primeiro atleta da 9ine foi Anderson Silva, que rompeu o vínculo ainda antes do começo deste ano.

Por: Igor Resende/ESPN
Foto: Reprodução

Nenhum comentário:

Postar um comentário