sexta-feira, 19 de junho de 2015

Weidman acusa Belfort de doping e diz que se ofereceu para lutar no Brasil


O atual campeão dos médios do UFC nunca escondeu sua rivalidade com lutadores brasileiros. Não é para menos. Chris Weidman enfrentou três brasileiros em suas últimos quatro lutas, consolidando-se assim como um dos "matadores de brasileiros" que o MMA já produziu. Embora tenha nocauteado Vitor Belfort em maio, em sua terceira defesa de título, e tenha confirmado como próximo desafiante o americano Luke Rockhold, Chris ainda tem coisas a dizer sobre Belfort.


Em entrevistas ao programa "MMA Roasted", Weidman foi questionado sobre as críticas que recebe por ter enfrentado Vitor Belfort sem o TRT (Terapia de Reposição de Testosterona), que foi banido no ano passado. O campeão dos médios fez uma forte acusação.

- Bem, eu não sei se ele estava fora "do suco". Os números dele estavam quatro vezes maiores dos que os meus e sou dez anos mais jovem. Ele é um cara que precisou de testosterona por um longo perído da vida porque não pôde produzir por conta própria. Então, obviamente ele ainda está tomando anabolizantes. Ele não estava ilegalmente sob uso do TRT. Ele estava sem prescrição para TRT, mas isso não significa que ele não estava tomando testosterona. Os testes dele vieram com um número quatro vezes maior do que o meu, mas ainda assim é legal, pois eles não avaliam o montante do teste, e sim a proporção de testosterona. De alguma forma essa matemática é uma forma de trapacear também. Eu conversei com o cara que trabalha com o UFC, o novo cara que eles trouxeram e ele disse que existem formas de trapacear isso. É a única explicação que vejo para isso. E isso durante o treinamento. Esse cara tinha quatro vezes mais, é com 120 de nível. Se você está em treinamento seus índices deveriam ser baixos, como estavam os meus. Esse cara tinha quatro vezes mais, é 120. Ele ainda está tomando... Mas de qualquer jeito a diferença é que estou batendo esses caras independente de qualquer coisa -





O americano ainda revelou que se ofereceu para enfrentar Vitor Belfort no Brasil durante algum dos 16 meses que separaram o primeiro anúncio da luta até a data em que ela aconteceu devido a cancelamentos e lesões do americano.

- Sim, quando estávamos programados para lutar, em algum momento, me esqueci quando, mas eu me ofereci para lutar com ele no Brasil mesmo que ele estivesse "no suco", eu não me importo. Acho que seria uma luta parecida com o que foi, não importa como - finalizou.

Por: Lance!Net
Foto: UFC

Nenhum comentário:

Postar um comentário