segunda-feira, 15 de junho de 2015

"Melhor momento da minha carreira", diz Werdum após derrotar Velásquez

Fabricio Werdum é um cara acostumado a superar desafios. Na madrugada deste domingo, ele entrou como o azarão no duelo contra Cain Velásquez, e saiu com a glória. Em uma luta bastante intensa, o gaúcho conquistou o cinturão unificado dos pesados do UFC, calando a Arena Ciudad de México e boa parte dos críticos e especialistas.

Para o brasileiro, o feito chega a ser mais especial do que a sua vitória sobre Fedor Emelianenko, em 26 de junho de 2010, mesmo mês que ele também conquistou outros dois triunfos importantes em sua carreira, contra Mike Russow e Rodrigo Minotauro, em 2012 e 2013, respectivamente.

- Quando lutei contra o Fedor foi maravilhoso, ficou para a história, mas o combate de hoje (sábado) também vai ficar para a história do esporte. Eu ganhei do Fedor em junho, essa luta com o Cain também foi em junho, coincidência ou não estava tudo ao meu favor. Ninguém acreditava em mim daquela vez, ninguém achava que eu ia derrotar o Cain, mas hoje é o melhor momento da minha vida porque sou o melhor peso-pesado do mundo. Tenho dois cinturões agora, muita gente falou que o meu outro cinturão era de mentira, mas as pessoas não sabem o que se passa nos bastidores. Estava todo mundo apostando no gás do Cain, e eu sabia que ele tinha vindo para cá há duas semanas e que não era o suficiente para se acostumar com a altitude - declarou.

A vitória deste domingo foi do jeito que o brasileiro gosta: suada e merecida. "Vai Cavalo" chegou a perder o primeiro round, mas se recuperou no intervalo e conseguiu impor o seu jogo a partir do segundo assalto, finalizando o duelo com uma guilhotina aos 2m13s do terceiro round.
- Como eu já estava aqui há 40 dias, senti o impacto, mas não fiquei tonto, como já fiquei outras vezes. Eu sentia o golpe, mas sabia que não iria me derrubar. Aí eu percebi que o Cain começou a cansar e pensei: “'É o meu momento”. Quando eu tentei a guilhotina, não foi por sorte, eu sabia que ele ia entrar nas minhas pernas para tentar o single ou o double leg, então eu o agarrei bem quando ele já estava cansado.

O campeão unificado dos pesos-pesados saiu do octógono mancando um pouco, devido ao impacto da joelhada desferida em Cain no primeiro round. Ele também contou que o golpe que lhe deu a vitória foi ensaiado exaustivamente durante a sua preparação para o combate:





- Eu visualizei essa luta muitas vezes. Faz dois anos que estou me preparando para isso. Fiquei realmente com muita saudade da minha família, mas eu sabia que ia ser muito gratificante poder ficar aqui. Todo o meu time, a Kings MMA, Babalu, o Rafael Cordeiro, o meu irmão Felipe, o Orlando, todo mundo da equipe, até o Lucas na parte da apresentação, todo mundo foi muito importante. Toda essa energia foi essencial, porque a gente estava com uma energia muito forte. Então eu visualizei e não era aquela coisa de “Ah, eu não acredito que eu ganhei”. Eu consegui a guilhotina porque eu tinha treinado muito esse golpe, eu sabia que ele ia entrar nas minhas pernas. E falo isso sem prepotência, porque eu acreditei nesse momento para poder ganhar.

Werdum também encerrou de uma vez por todas a polêmica causada por uma frase sua no início da semana, na qual dizia que Velásquez era um "americano que pensa ser mexicano".

- Nunca desrespeitei o Cain Velásquez, sempre disse que ele era americano, porque nasceu nos Estados Unidos, mas que representava muito bem o México. Eu só disse isso para que as pessoas quisessem assistir a essa luta. Tenho muito respeito pelo México e significa muito para mim estar nesse novo mercado, que está crescendo muito - finalizou.

Por: Evelyn Rodrigues/Combate
Foto: UFC

Nenhum comentário:

Postar um comentário