quarta-feira, 27 de maio de 2015

Thales Leites vibra com duelo diante de Bisping: ‘Sempre quis enfrentá-lo’

Embalado por cinco vitórias seguidas no UFC - oito na carreira -, Thales Leites segue tendo desafios contra adversários cada vez mais qualificados. A organização anunciou que o niteroiense enfrentará o inglês Michael Bisping na luta principal do UFC Fight Night 72, em Glasgow, capital da Escócia, dia 18 de julho. Este será seu primeiro "main event" desde a disputa de cinturão contra Anderson Silva, no UFC 97, em 2009.

Bisping está em nono no ranking, uma posição acima de Thales que, aos 33 anos, soma 13 lutas em duas passagens pelo UFC, sendo dez vitórias. Na última vez em cima do octógono, em janeiro, no UFC 183, finalizou o norte-americano Tim Boestch com um katagatame no segundo round. Assim como o brasileiro, Bisping é um rosto muito conhecido dos fãs de MMA. Com 23 lutas no Ultimate e duelos contra grandes nomes do esporte como Wanderlei Silva, Rashad Evans, Dan Henderson e Vitor Belfort, o inglês está no caminho de Thales há bastante tempo, pelo menos na cabeça do niteroiense.

- Essa é uma luta que eu queria tem tempo. Ele entrou no UFC na mesma época que eu e sempre tive vontade de enfrentá-lo. É um cara perigoso e muito aguerrido, tem um volume de muito jogo muito alto. Fiquei muito feliz por ser na Escócia, é um lugar que sempre sonhei em conhecer por ser muito fã do filme ‘Coração Valente’, que se passa lá e conta história de Willian Wallace (antigo guerreiro escocês que liderou seus compatriotas na resistência à dominação inglesa no século 13) - analisa Thales, via assessoria de imprensa.

O bom retrospecto recente faz o atleta da Nova União manter o mesmo camp de treinamentos dos últimos duelos, com Dedé Pederneiras como seu head coach, Welton Ribeiro no jiu-jitsu e Emerson Falcão e Pedro Rizzo no muay thai. Invicto desde o retorno ao Ultimate, em 2013, Thales enxerga em Bisping uma ótima oportunidade de subir na divisão, mas não demostra pressa para chegar ao topo e aposta na paciência para ter uma chance pelo título.

- Não tenho aquela perspectiva de entrar logo no top 5, quero ir devagarzinho, sei que a categoria está muito dura e todos que estão na minha frente estão lá por merecimento. Estou tranquilo e espero vencer o Bisping para dar mais uma passo rumo ao topo. Sempre pedi para enfrentá-lo porque ele é um cara duro, veterano no UFC como eu e acho que o jogo dele casa perfeitamente comigo. Ele não foge da luta, gosta da trocação, sempre andando para frente e esses são os ingredientes necessários para fazermos um grande combate - garante.





Palco do duelo, a Escócia não chegar a ser a casa de Bisping, nascido na Inglaterra, mas é bem provável que a maioria esteja ao lado do inglês, o que não incomoda o brasileiro.

- Pra mim tanto faz o local, não tem essa de ele estar em casa, até porque lá não é casa dele. Quando fecha o cage somos só nós dois lá dentro. Torcida não ganha jogo, se fosse assim a China era campeã de tudo - ironiza.

Bisping também é muito conhecido pelo estilo falastrão, promovendo os duelos na base da provocação ao adversário. O brasileiro, que credita o atual momento vivido na carreira ao crescimento de sua força mental, garante lidar bem com as possíveis declarações do inglês.

- Eu acho ótimo que ele fale e que tenha essa promoção. Esse trash-talk é fundamental para divulgação da luta, mas a realidade é que não muda nada na hora do combate para mim, se ele falar ou não vou lutar da mesma forma. Estou muito bem mentalmente desde que voltei o UFC e mexer com meu psicológico ele não vai conseguir - afirma.

Por: LanceNET
Foto: UFC

Nenhum comentário:

Postar um comentário