terça-feira, 28 de abril de 2015

Lutadores e comentaristas pedem que Jon Jones perca o cinturão do UFC

A prisão de Jon Jones na noite de segunda-feira devido ao seu envolvimento num acidente de trânsito deixou seus companheiros de profissão no MMA atônitos. Foi o segundo escândalo envolvendo o campeão dos pesos-meio-pesados do UFC neste ano, e mais um numa série de problemas de comportamento do atleta desde que conquistou o cinturão, em 2011. A gravidade da ocorrência - "Bones" é acusado de avançar num sinal vermelho, causar uma colisão que teve entre suas vítimas uma mulher grávida de 20 e poucos anos, e fugir do local a pé, correndo, sem prestar assistência - fez com que lutadores e comentaristas pedissem que a organização tirasse o título de suas mãos.

- Para mim, ele tem que ser responsabilizado. São coisas que ele supostamente teria feito, porém, se eles comprovarem que foi ele, Jones precisa assumir a responsabilidade e tem que receber algum tipo de punição, porque parece que ele está se livrando dessas punições, quando ele precisa assumir a culpa. Eu também acho que algo deve ser feito pela sua carreira, no tocante ao UFC. Não sei se isso seria tomar o cinturão dele, que é algo que eu gostaria de ver, além de deixá-lo suspenso por seis meses, talvez um ano, sem competir. Porque, no final das contas, ele precisa cuidar de seus problemas, precisa se tratar, dar um tempo do esporte para cuidar disso, ficar próximo de sua família para se curar e melhorar - afirmou Kenny Florian, ex-lutador e atualmente comentarista, ao telejornal do Ultimate, "UFC Tonight".

Ex-companheiro de equipe e ex-adversário de Jones, o peso-meio-pesado Rashad Evans fez coro com Florian.

- Jones é um cara que defendeu seu título oito vezes, está indo para a sua nona defesa de título agora, e o que você faz dentro do octógono não é necessariamente a mesma coisa que você faz fora do octógono, fora de sua conduta, fora daquele comportamento de campeão. Quando você está fazendo coisas como ultrapassar o farol vermelho e bater no carro das pessoas, depois fugindo a pé do local… Isso não é justo. Você precisa ser responsabilizado por isso.  Eu só desejo que ele tenha alguém lá para falar com ele, para dar apoio de verdade, e que diga: "Cara, você está arruinando tudo" - disse Evans, que ressaltou que o atual campeão tem uma base familiar forte e acredita que seus pais estão conversando com ele.

Desde que conquistou o cinturão dos pesos-meio-pesados, em 2011, Jones acumulou polêmicas. Em 2012, foi detido e admitiu culpa por dirigir embriagado na ocasião de um acidente sem outras vítimas em Binghamton, Nova York (EUA), em que detonou seu Bentley ao bater num poste. Em 2014, brigou com Daniel Cormier após uma encarada para fotos durante a promoção do duelo entre os dois, no lobby do hotel MGM Grand, em Las Vegas. Eles precisaram ser separados por um grupo de seguranças, dirigentes e membros de suas equipes, e o chefe de segurança do UFC, Joe Williams, foi para o hospital para tratar de lesões menores como resultado da confusão. Neste ano, foi revelado que Jones foi flagrado em exame antidoping surpresa cerca de um mês antes de sua luta contra Cormier, em 3 de janeiro, por uso de cocaína.





Em todas essas ocasiões, o campeão foi apenas multado pelo UFC, que alegou que, na última ocorrência, não poderia cancelar a luta, já que cocaína só aparece na lista de substâncias proibidas no período dentro de competição - até 12 horas antes da luta. A Comissão Atlética do Estado de Nevada admitiu que o exame para uso de drogas recreativas na ocasião foi um erro. No acidente do último fim de semana, porém, a polícia afirma ter encontrado vestígios de maconha e um aparato para consumo da droga em seu carro. Acusado formalmente por cometer um "crime doloso", "Bones" pode pegar até três anos de detenção - além do pagamento de multas. Até agora, o único comunicado oficial emitido pelo UFC a respeito foi de que estava no processo de recolher informações. Jones permanece escalado para enfrentar Anthony Johnson no evento principal do UFC 187, em 23 de maio, em Las Vegas.

- Definitivamente há algo errado aqui. Algo está muito errado com a sua mente. Você está a quatro semanas de uma luta, a única coisa que você deveria estar preocupado é com treinar e estar pronto para essa luta. Quando você sai atrás de balada, e talvez esse nem seja o caso, não é bom. E isso me diz que há mais alguma coisa acontecendo aí. Ele precisa tirar um tempo longe do esporte, porque lutar é um privilégio. Estar apto a fazer o que ele faz é um privilégio e isso não está certo. Quando você começa a esquecer o quão privilegiado você é por estar apto a competir, é aí que você precisa sentar e tirar um tempo e é aí que você precisa enfrentar as consequências - argumentou Rashad Evans.

Por: Combate
Foto: UFC

Nenhum comentário:

Postar um comentário