quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Em Porto Velho, Minotouro garante: "Ainda não está na hora de parar"

É bem sutil o detalhe que diferencia os irmãos Nogueira: uma cicatriz no braço direito e a orelha mais marcada pelo jiu-jítsu são marcas de Minotauro. Já Minotouro é característico pelo jeito tranquilo e riso fácil, mesmo com os 1,80 de altura e 93kg, que o classifica na categoria meio-pesado do UFC. Ambos começaram na luta aos seis anos e incentivados pela mãe, que tinha uma academia de dança e musculação. Mas como eram pequenos, o judô foi escolhido para disciplinar os pequenos, que se tornariam campeões do Pride, do UFC e da vida.

Mas em Porto Velho, na visita rápida que fez no lugar do irmão, Minotouro tinha outro objetivo: justificar a ausência de Minotauro, que ministraria uma palestra na última sexta, 12, para mais de 600 pessoas. Por problemas de saúde, o lutador não embarcou para a capital rondoniense, mas mandou o irmão, que aproveitou a visita para conhecer a cidade e um pouco mais das promessas da luta em Rondônia. . 

- Ele está com problemas de saúde, não pode mesmo vir. É uma situação delicada, mas o bom de ter um irmão que também luta que daí a gente se divide nos compromissos e justifica - brinca Minotouro.

Prestativo, o lutador visitou a redação do GloboEsporte.com e contou o que podia sobre a carreira e o que viu dos atletas rondonienses. Em visita à algumas academias, o que Minotouro disse ter observado é muita capacidade de revelar novos talentos a nível de UFC, e que vontade, por aqui, não falta. 

- Fui nas escolas e vi uma galerinha lutando, eles mandam bem de verdade. Ficaram felizes com a visita e percebi que deu uma incentivada. Isso é bom, é gratificante. Nós, como lutadores, temos essa missão de incentivar e criar novos atletas; de dizer pra eles que não se pode desistir de um sonho e que chegar no topo não é impossível, não. Só que tem que treinar, tem que se destacar. 
UFC

Falando em topo, Minotouro fez a sua última luta em julho deste ano, contra o americano Antony Johnson, quando teve seu primeiro nocaute da carreira, aos 44 segundos de luta. O próximo confronto ainda não foi definido, mas o lutador da categoria meio-pesado garante que entra no octógono ainda em 2014 e a preferência, sem dúvida, é pelo Brasil.




- Quero lutar no Brasil e se possível fosse já no próximo evento, mas mesmo que conheça o adversário não daria tempo. Preciso de, pelo menos, três meses de preparação intensa. Mas o objetivo é de que seja até o final deste ano. Tenho alguns adversários em mente, algumas preferências (risos), mas não posso falar. A organização vai escolher - resume. 

Com 38 anos, ele garante que ainda não pensa em se aposentar. Minotouro garante que pode ter mais três anos de carreira e que ainda há muito o que fazer. Já quanto a aposentadoria de Minotauro, ele garante ser totalmente a favor e diz: o momento é oportuno. 

- Rodrigo está realizado. Se ele quer parar agora, essa é a hora. Ele tem uma visão empreendedora e quer ser mestre, também. Então o apoio é total. Andamos pelo Brasil fazendo as palestras motivacionais e criar novos atletas nas nossas academias é gratificante demais também, tanto quanto lutar e vencer. Ele está certo. Eu ainda tenho uns três anos de carreira pra completar, não penso em parar, mas o apoio.

Por: Globo Esporte
Foto: UFC

Nenhum comentário:

Postar um comentário