segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Após "três anos de inferno mental", Cruz quer provar que cinturão é seu

Sem lutar desde 2011, Dominick Cruz voltou ao octógono do Ultimate neste sábado, no UFC 178, em Las Vegas (EUA), cercado de desconfianças. Depois de três anos sem lutar, o público não sabia o que esperar do ex-campeão dos pesos-galos (até 61kg). Entretanto, seu retorno foi em alto nível, com um nocaute técnico a 1m01s do primeiro round sobre Takeya Mizugaki, que vinha de cinco vitórias consecutivos. De acordo com o americano, o período parado foi um "inferno mental", mas que ele soube superar.

- Eu sempre me deixo levar pela memória muscular de tantos exercícios, mas a minha maior vitória hoje foi meu próprio conjunto de objetivos. Eu não sabia o que ia acontecer, como eu ia me sentir depois de três anos (afastado), não sabia como seria com as luzes, não sabia como seria lá dentro. Eu simplesmente tinha que entrar e fazê-lo. Foi importante para mim. Cem por cento disso é mental. Tudo o que fiz é mental. É um jogo mental, foram três anos de inferno mental. Mas ou você passa por isso, ou quebra. Eu tive de passar por isso, e tive de fazer algo hoje para provar que eu não ia quebrar. E sinto que fui lá e quebrei outra pessoa para que soubessem disso - afirmou Cruz, na coletiva de imprensa.

Contra Mizugaki, ele garantiu que já conhecia bastante o jogo do japonês e que sabia tudo que precisaria fazer para sair com o triunfo.

- Eu conhecia suas armas, suas habilidades. Eu o estudei. Entendo o esporte e o que ele pode fazer. Eu sabia que tinha muito mais armas do que ele e poderia usá-las. Também sabia que ele teria dificuldades em me encontrar. A única coisa que eu não sabia era com quanta vontade ele viria atrás de mim. Ele tinha uma escolha: podia ficar do lado de fora e me esperar, e deixar eu usar meu ritmo, minhas fintas e meu timing, ou ele podia tentar me perseguir, me pegar desprevenido e me fazer andar para trás. Dependendo do que você faz, eu faço ajustes durante a luta. Fiz o ajuste e ele se arrastou para a tela. Ao fazer isso, você não tem defesa. Isso me permitiu encaixar alguns socos e conseguir o nocaute. Estou grato por isso - declarou.





A meta de Cruz agora é clara: recuperar o cinturão dos pesos-galos. O presidente do UFC, Dana White, já garantiu que ele é o próximo desafiante de TJ Dillashaw, e o americano quer mostrar que o título lhe pertence, já que só o perdeu pelo período de inatividade.

- Acho que me encaixo bem com todo mundo na divisão. Só tenho respeito por todo mundo na divisão, mas eu nunca realmente perdi meu título. Eu me machuquei. E não fiquei sentado comendo, engordando, sem fazer nada. Fiquei trabalhando, e andei analisando lutas, as estudando, aprendendo sobre todos na divisão, todos os estilos, observando as pessoas verem coisas que eu falo e tornarem suas. Estou vendo o esporte evoluir e as pessoas crescerem e melhorarem. Estou junto com elas, não fiquei só sentado. Estou pronto para voltar e pegar meu cinturão. Nunca o perdi, não deveria ter ido para as mãos de outra pessoa, mas eu estava lesionado, é minha própria culpa, então só quero provar que ainda estou lá - concluiu.

Por: Combate
Foto: UFC

Nenhum comentário:

Postar um comentário