quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Advogado de Wand diz que NSAC não pode punir o lutador: "É irracional"

Wanderlei Silva é esperado novamente pela Comissão Atlética do Estado de Nevada (NSAC) no fim deste mês, após não ter comparecido mais uma vez na última chamada. Porém, o advogado do lutador, Ross Goodman, garante que não está nem um pouco preocupado com a situação de seu cliente e que a NSAC não tem autoridade para puni-lo, já que ele não havia se submetido a um pedido de licença para lutar no estado de Nevada nem assinado nenhum contrato para lutar.

- Estamos ansiosos pela audiência e para tornar pública a discussão. Esperamos que o bom senso prevaleça no que diz respeito aos comissários. Não pode ser mais preto no branco do que isso. Todo mundo entende que você tem que concordar, tem que ser um licenciado, antes que alguém possa tomar qualquer tipo de ação contra você. Acho que todo mundo entende o fato de que você não pode disciplinar alguém que não está licenciado. É muito simples. A queixa atual é que Wanderlei violou a política de doping deles, e se você olhar para o estatuto, você vê que eles estão tentando disciplinar Wanderlei em uma situação clara de que você precisa ser um licenciado - afirmou, em entrevista ao "MMA Hour".

Questionado se a Comissão Atlética pode argumentar que o requerimento para ter a licença seria apenas uma formalidade, já que o duelo contra Chael Sonnen estava anunciado para o dia 5 de julho em Las Vegas (EUA), Goodman não acredita que isso seja um motivo para o Cachorro Louco receber uma punição por não ter feito o exame antidoping surpresa exigido pela entidade.

- Faz toda a diferença do mundo. O estatuto diz expressamente que você tem que ser um licenciado. Isso é tão simples quanto parece. Se o que vale é o que eles estão dizendo, a comissão teria autoridade para disciplinar qualquer pessoa. Isso é um absurdo. Isso é irracional. Ao contrário de Chael ou outras pessoas, Wanderlei não tinha assinado um acordo de luta, ele não estava sob contrato, e ele não era um licenciado. Você não pode submeter alguém a um teste porque ele potencialmente vai lutar em um card - analisou.

Em uma audiência inicial para dar sua versão, Wanderlei Silva declarou para a comissão que havia usado diuréticos por conta de uma lesão sofrida. O advogado disse que diuréticos são proibidos pela Agência Mundial Antidoping (WADA) apenas em períodos de competição, o que não era o caso de Wand, já que não tinha contrato assinado ainda, nem estava licenciado para lutar em Nevada.

- Diuréticos não tornam ele melhor, mas ele estava tomando fora de competição, sem estar licenciado, tentando reduzir uma inflamação. Se você ver a lista de substâncias proibidas da WADA, fala sobre substâncias proibidas fora de competição e dentro de competição. Mas mesmo na WADA as pessoas precisam estar licenciadas ou ser um membro da organização (licenciada). Então as mesmas regras se aplicariam aqui. Wanderlei deveria ter sido licenciado perante a comissão para tentar submetê-lo a um exame - afirmou, acrescentando que Wanderlei ficou chocado pela NSAC ter aparecido de surpresa, sem ter autoridade para isso, exigindo um teste surpresa.





- Acho que pegou todo mundo de surpresa porque a comissão não faz testes aleatórios em pessoas que não estão licenciadas antes. Eles fazem exames aleatórios nas pessoas que estão licenciadas antes na comissão. Na verdade, como você sabe, você pode entrar no site deles e ver suas políticas formais de exames antidoping. Eles publicaram no site diretamente para os licenciados. Não diz nada para não-licenciados. Se você for testar alguém aleatoriamente, isso pressupõe que a pessoa está licenciada perante a comissão. Você pode aparecer quando você quiser neste caso. Mas (se você não está licenciado) você não pode aparecer a hora que você quer e não tem autoridade, que é realmente o problema aqui. Wanderlei ficou chocado. Ele foi pego de surpresa com alguém aparecendo antes mesmo que ele assinasse um acordo de luta com o UFC e sem estar licenciado.

Caso a Comissão Atlética de Nevada não aceite os argumentos de Wanderlei e negue a licença, Goodman disse que vai entrar com uma ação com um "juiz imparcial" como último recurso.

- É uma pena que se precise ir tão longe. Isso é uma questão muito simples. Eles devem apenas aprender com ela e não ir em frente com uma reclamação disciplinar, porque eles não têm jurisdição. Em vez de tentar acusar Wanderlei, acho que a questão deve ser como a comissão está buscando algo que é, no seu estado, claramente errado, que é agir contra alguém que não está licenciado antes. O que eles devem fazer é tomar isso como uma lição e seguir em frente, fazendo acordo ou emendas nas regrar para tentar se prevenir do que aconteceu - disse.

Apesar disso, Goodman lembrou que Wanderlei Silva nunca teve uma licença negada e que acredita que o máximo que vai acontecer é o pedido de um exame antidoping antes de ser concedida a licença.

- Ele nunca teve uma licença negada. Então se ele luta em qualquer outra jurisdição e ele consegue a licença, não é essa comissão que vai negá-la. porque ele nunca teve uma licença negada antes. O que eles provavelmente vão fazer é testá-lo e, se ele testar negativo, então não deve ter obstáculos que impeçam que a comissão lhe dê uma licença - concluiu.

Por: Combate
Foto: Evelyn Rodrigues

Nenhum comentário:

Postar um comentário