terça-feira, 5 de agosto de 2014

Wand compara briga entre Jon Jones e Cormier a caso com Sonnen: 'Normal'

A confusão ocorrida nesta segunda-feira entre Jon Jones e Daniel Cormier, que brigaram em um evento promocional do UFC 178, que acontece só no dia 27 de setembro, em Las Vegas, movimentou o mundo do MMA. Os rivais saíram no tapa em uma das cenas mais inacreditáveis já vistas em um evento para a imprensa e multiplicaram o apelo que a disputa de cinturão dos meio-pesados terá até a data marcada para o encontro no octógono.

Para quem acompanha o noticiário do esporte, a briga entre Jones e Cormier lembrou um caso recente no esporte: a confusão protagonizada por Wanderlei Silva e Chael Sonnen no The Ultimat Fighter Brasil 3, transmitido no primeiro semestre. Em entrevista ao LANCE!Net, o Cachorro Louco fez sua análise sobre a briga e defendeu sua posição ao se envolver na confusão, comparando o caso com a briga de Jones e Cormier.





- Acho que a gente tem que analisar bem as coisas. Somos seres humanos, somos profissionais, mas temos emoções. Nosso trabalho é de risco, envolve muita coisa e tem muito contato físico. Não incentivo outros atletas a fazerem isso, mas todo mundo é homem. Não sei o por que que aconteceu, mas... Quando você bate o carro no trânsito, as pessoas nem sempre falam com educação. Muitas vezes nos julgam por um momento de raiva. O que aconteceu é normal. Quem nunca teve uma explosão de raiva? As pessoas falam como se fossem um bando de santinhos. Todo mundo é iguail - declarou Wand, em conversa por telefone com o L!Net, logo após ser avisado a respeito do ocorrido.

O brasileiro ainda analisou o julgamento de especialistas e torcedores que condenaram a sua atitude no TUF Brasil 3. Segundo o Cachorro Louco, a personalidade das pessoas tem seu preço.

- Somos humanos. Um fala besteira do outro e sai no braço, não tem motivo para dramatizar. Não tem por que ficar cheio de pudores. Quem nunca cometeu um erro que atire a primeira pedra. Quem é autêntico paga o preço - explicou..

Para concluir seu raciocínio, Wanderlei comparou a chuva de críticas recebida por André Dida - que se envolveu na confusão agredindo Sonnen - ao envolvimento de Malki Kawa, empresário de Jones, na briga com Cormier.

- Muita gente criticou, cada um tem uma reação. Quem diz que nunca agiu dessa maneira é por hipocrisia. Isso é muita emoção, de fora não dá para falar. Quem que não vai proteger um amigo naquele momento? A pessoa age por instinto, não é de maldade. Amigo que é amigo entra de voadora (risos). O ato foi errado, não pode, mas o sentimento foi grande. Quando a amizade é verdadeira, isso acontece. Se fosse empresário do Jones, faria a mesma coisa (risos) - finalizou.

Sem lutar desde março do ano passado, Wanderlei Silva ainda tem problemas a resolver com a Comissão Atlética de Nevada a respeito do caso onde se recusou a cumprir protocolos de um exame antidoping surpresa. Apesar do desejo já declarado de voltar a lutar no Brasil, seu futuro no UFC ainda é uma incógnita.

Por: Carlos Antunes e Luis Fernando Coutinho/Lancenet
Foto:  Reprodução

Nenhum comentário:

Postar um comentário