quinta-feira, 31 de julho de 2014

Técnico de Nick Diaz acredita que aluno tem "queixo melhor" que Spider

Treinador de jiu-jítsu de Nick Diaz, o brasileiro César Gracie causou polêmica em 2013 ao afirmar que, após a primeira derrota de Anderson Silva para Chris Weidman, em julho, o brasileiro começaria a perder mais frequentemente a partir dali. "E eu estava certo!", diz o professor radicado no norte da Califórnia, ao ser lembrado disso pelo Combate.com, em contato telefônico. O argumento de Gracie era justamente que, com o avanço da idade, a resistência do Spider diminuiria. Por isso, ele acredita que seu pupilo tem boas chances de vitória contra o lendário lutador brasileiro, dono da maior sequência de vitórias da história do Ultimate, quando os dois se enfrentarem em 31 de janeiro de 2015, em Las Vegas.

Na ocasião, Anderson Silva estará fazendo seu retorno após pouco mais de um ano afastado, se recuperando de uma horrível lesão na perna esquerda, fraturada em dois lugares em sua luta contra Chris Weidman no UFC 168, em dezembro de 2013. Nick Diaz não luta há ainda mais tempo, desde março de 2013, mas não lidou com lesões neste meio-tempo, e terá apenas 31 anos de idade quando adentrar o octógono. O Spider estará com 39, a apenas três meses de se tornar um "quarentão".

- Acho que Anderson Silva tem sido o melhor lutador do UFC até agora, mas acho que a idade está o alcançando agora, e vejo que ele não tem a mesma resistência (de antes) quando é atingido, é difícil para ele. Ele está lutando há tanto tempo, que, conforme você fica mais velho, seu cérebro começa a aprender a desligar. Nick tem mãos muito boas, Anderson também. Anderson é mais rápido, mas Nick tem o queixo melhor. Esta luta é muito equilibrada - afirmou César Gracie, ao analisar o duelo para o Combate.com.

Isso não quer dizer que o treinador não respeita as habilidades do Spider. Ele reconhece que o ex-campeão dos pesos-médios tem uma série de vantagens no confronto, que o tornam o favorito nas bolsas de aposta. Uma delas é a diferença de tamanho - Anderson é mais alto (1,88m contra 1,83m) e mais longo (1,97m de envergadura, contra 1,93m), e luta na categoria de cima, o peso-médio (até 84kg), enquanto Diaz fez a maior parte de sua carreira no peso-meio-médio (até 77kg). Gracie, contudo, lembra que seu aluno já lutou em peso-casado acima dos 77kg duas vezes e venceu ambas, contra Scott Smith e Frank Shamrock.





- Acho que Anderson tem vantagem no peso e na velocidade, e nos chutes, que são superiores aos do Nick. Mas o Nick é mais durável. Nick aguenta um soco, e acho que o Anderson não aguenta um soco tão bem quanto o Nick neste ponto de sua carreira. Ele tem a durabilidade e a juventude do seu lado, e ele tem ótimas mãos. Ele treina com alguns dos melhores boxeadores do mundo, e acho que o nível do boxe nos EUA é mais alto que o nível do boxe no Brasil - analisou.

Nick Diaz foi da faixa branca à faixa preta de jiu-jítsu com César Gracie, que louva o trabalho de chão do aluno como "um dos melhores no MMA na atualidade". Todavia, ele não crê que o produto de suas aulas será visto no combate contra Anderson Silva.

- Acho que esta luta vai ser em pé o tempo todo, não acho que vai haver muito jiu-jítsu nesta luta a não ser que alguém receba um knockdown. Não acho que Nick vai buscar derrubar, nem Anderson, acho que vão ficar em pé, e o único trabalho de chão que se verá será se alguém cair. A melhor esperança do Anderson é se ele cortar o Nick, causar muitos danos no Nick, e talvez conseguir uma interrupção médica, porque o Nick é difícil de nocautear. Acho que Anderson vai jogar cotovelos, se mover muito pelo ringue, jogando golpes duros, e Nick vai provavelmente tentar perseguí-lo, acertar seus socos e nocautear Anderson. Vai ser uma grande luta, com certeza - disse Gracie.

Por: Adriano Albuquerque/Combate
Foto: Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário