domingo, 18 de maio de 2014

Shogun desabafa após assalto: "O Brasil não está pronto para a Copa"

Maurício Shogun foi vítima da violência do Rio de Janeiro e do Brasil ao ser assaltado na madrugada do dia 27 de abril. O lutador do UFC estava de passageiro no carro de um amigo e, quando pegava um acesso para a Ponte Rio-Niterói, viu o veículo ser abordado por um grupo de quatro bandidos, todos armados e um deles munido de fuzil. O bando levou celular, documentos e até os chinelos de Shogun, que ficaram dentro do carro roubado. Sem condução, ele teve de caminhar descalço até a delegacia mais próxima para fazer o Boletim de Ocorrência. Após o susto, o curitibano fez um desabafo e disse que um país onde acontecem coisas desse tipo com frequência não pode receber a Copa do Mundo - o torneio começa no dia 12 de junho:

- Acho que o Brasil não está pronto para a Copa. Um país que sedia a Copa tem que estar pronto na área de saúde, em todas as áreas, na verdade. Realmente o Brasil está em desenvolvimento ainda. Sou fanático por futebol, acompanho desde pequeno, mas eu preferia que o país tivesse bons hospitais e faculdades em vez de ter a Copa. E não adiantar reforçar a segurança e botar Exército nas ruas só durante o torneio. O povo brasileiro merece segurança o ano inteiro, nao só durante o evento esportivo - disse ele, que é torcedor do Coritiba, em entrevista ao Combate.com.

Nem para as Olimpíadas, que ocorrem daqui a dois anos, o Brasil estará pronto, na opinião dele:

- Acho muito difícil mudar em dois anos. Teria que mudar muita coisa.

Shogun detalhou o assalto, contou que foi reconhecido por um dos bandidos e pensou em pedir para que eles o deixassem ficar com os documentos, mas ficou receoso e mudou de ideia:

- Eu participei de um ensaio fotográfico à tarde em Copacabana e fiquei no Rio para jantar com o Eduardo (Alonso, empresário), o Demian (Maia, lutador) e um amigo meu. Depois de jantar no restaurante onde estávamos assistindo ao UFC (172: Jon Jones x Glover Teixeira), deixamos o Eduardo e o Demian num hotel na Barra da Tijuca e fomos para o nosso hotel em Niterói. Na altura de São Cristóvão, na Linha Vermelha, pegamos um acesso para a ponte Rio-Niterói. Aí um carro parou a gente, e estavam todos armados, uma coisa que realmente me assustou. Eu estava de chinelo e saí descalço. Na hora que o cara abriu a porta, falou: "Eu sei quem você é. É o Shogun". Mas levaram o carro, celular, os documentos, tudo. Até pensei em pedir os documentos, mas não quis fazer nenhum movimento brusco, porque às vezes os caras se asustam e acabam matando.





Para o lutador, o problema do Rio de Janeiro é maior do que em outras cidades, mas o Brasil todo está condenado:

- Acho que o Brasil inteiro está perigoso. Tem que tomar cuidado. No Rio os bandidos usam armamentos ainda mais pesados. Fiquei impressionado quando o cara me apontou um fuzil. É alto o padrão de armamentos dos bandidos. No Rio, em São Paulo, nas metrópoles, o risco é realmente maior.

Ele acredita que a culpa é dos políticos corruptos que, em vez de investirem em educação, saúde e segurança, por exemplo, usam o dinheiro para outros fins:

- Eu coloco a culpa disso tudo na corrupção. Eu amo estar aqui, amo minha família, meus amigos, amo a cultura brasileira, mas está difícil. E coloco a culpa na corrupção, nos desvios de verba, no investimento errado. As pessoas precisam se conscientizar e pensar mais. O povo também não deveria aceitar esmola para votar nos candidatos.

Shogun fez sua última luta em março, quando foi nocauteado por Dan Henderson, em Natal. Ele contou que está negociando seu retorno ao octógono para setembro, ou no evento que está agendado para Brasília, dia 13, ou no evento programado para ocorrer no Japão.

Por: Ivan Raupp/Combate
Foto: UFC

Nenhum comentário:

Postar um comentário