quarta-feira, 9 de abril de 2014

Marcelo Guimarães revela data para possível retorno ao UFC

A vida de Marcelo Guimarães está um verdadeiro turbilhão. Desde seu casamento no início do ano, o lutador emendou uma lua de mel nos EUA que se estendeu para um período de treinamento na American Top Team, período em que seu primeiro filho nasceu. E, enquanto administra o tempo entre fraldas e tatames, o capixaba se prepara para retornar ao UFC, mas em nova categoria.

Com tantas mudanças e acontecimentos ao mesmo tempo em sua vida, Marcelo conseguiu uma brecha para falar com exclusividade com a Ag Fight, quando revelou que possui uma data que, ao que parece, deve ser seu norte nas próximas semanas antes de voltar a pisar no octógono.

A data, o dia 28 de junho, se trata de uma edição da versão Fight Night do torneio, que contará com o embate entre Cub Swanson e Jeremy Stephens como atração principal da noite, e marcará o retorno de ‘Magrão’ para os pesos médios (84 kg) do MMA.

Confira a conversa com Marcelo Guimarães:

Ag. Fight - Marcelo, como surgiu o convite para treinar na ATT e quanto tempo você vai ficar por aí? 

Marcelo - Na verdade, eu vim para os EUA em lua de mel e precisei ficar um tempo aqui para resolver questões pessoais e, consequentemente, precisaria treinar em alguma academia. Lá no Rio, eu treino na Xgym, e o Distak disse para eu vir para a ATT, que tem como líder o [Ricardo] Libório, que é muito amigo do meu professor Alexandre Kaveira desde a época da academia Carlson Gracie. Pretendo ficar aqui até minha luta. Fui bem recebido e estou muito feliz.

Ag. Fight - Quem são os seus principais sparrings nos EUA?

Marcelo - No primeiro mês eu ajudei muito o Marreta, que iria lutar com o Ronny Marques, que derruba bem, e com o Hector Lombard, já que o Jake Shields tentaria fazer seu jogo de graplling. Aqui tem muitos caras duríssimos. Nunca imaginei que em uma única academia encontraria tantos nomes de peso.





Ag. Fight - Com o convívio com lutadores como o Tibau e Lombard, que perdem muito peso, você repensou sobre descer de categoria ou vai subir para os médios?

Marcelo - Repensei sim, mas percebi que tomei a decisão correta em subir para os médios. Sei que enfrentarei caras grandes, mas tenho certeza que meu treinamento será mais saudável, viverei mais feliz bem alimentado. Ter 5 kg ou 7 kg a mais não vai fazer o cara ganhar do mais leve que tem mais gás e habilidade. Isso é fato! Muitos caras descem com medo dos caras grandes. Veja na categoria dos pesados, o Cain [Velasquez] tem 111 kg e ganha dos caras com mais de 120 kg. O importante é ter gás, técnica, tática e garra!

Ag. Fight - Quando retorna ao UFC? 

Marcelo - Recebi a proposta para lutar dia 28 de junho aqui nos EUA. Ainda não assinei o contrato, mas está quase certo que será nesta data.

Ag. Fight - Qual vem sendo seu maior aprendizado na ATT?

Marcelo - Só o fato de você treinar junto com tantos tops já faz você crescer muito. Aprendi muito sobre esse lance de perder peso. Vale mais levar uma vida saudável do que ser maior uns 5 kg que o outro. Acompanhei o treinamento do Robie Lawer, Woodley, Lombard, Yoel Romero, Glover... Mas o meu maior aprendizado vem dos mais fracos, dos caras que estão no começo, na faixa azul. Vejo a dedicação, a vontade, a superação, o medo, o sangue nos olhos e lembro do meu passado, de tudo que aconteceu ate eu chegar aqui. As vezes, converso comigo mesmo e lembro o quanto eu treinava, o quanto eu sofria, lesões que ignorava para lutar e ganhar uma medalhinha no jiu-jitsu. Mas a idade chega, agora tenho um bebê, uma esposa, uma família para cuidar. Então, preciso colocar em primeiro lugar a minha família, a minha saúde, pois vida de lutador é curta. Antes eu treinava como louco sonhando em chegar ao UFC, que quando conseguisse eu ficaria rico. Mas, quando cheguei, vi que as coisas mudaram, tem muitos brasileiros no UFC e o pagamento no início é simbólico. Patrocinadores querem pagar mixaria. Grana mesmo nas primeiras lutas só através de bônus da noite. Esses pensamentos eu não tinha a cinco anos. Então eu olho a galera que esta começando e tento me espelhar neles!

Ag. Fight - Você é um lutador que tem um wrestling forte para os níveis no Brasil. Como estão sendo seus treinos nessa modalidade nos EUA?

Marcelo - Aqui o treino de wrestlling é muito duro. Para os níveis do Brasil, o meu é forte para o mma, e considero o meu forte até aqui nos EUA. Mas quando eu treino com uns caras até mais leves que eu, passo um veneno legal. Pareço um faixa-azul lutando com um preta. Fazer wrestlling com um cara campeão do NCAA é uma experiência diferente, muito diferente que treinar com um bom wrestller. Estou evoluindo muito nesta modalidade.

Ag. Fight - Pensa em morar de vez nos EUA?

Marcelo - A vida aqui é muito mais fácil. Consigo treinar três vezes por dia, dormir entre os treinos, fazer as tarefas cotidianas e ajudar minha esposa com o bebe. Nos EUA você consegue tomar conta do seu dia, sem se preocupar com um engarrafamento de duas horas como no Rio, sem violência, material e suplemento de qualidade e barato, além de um time imenso. Mas ainda não vou ficar aqui de vez, mas penso em voltar quando meu filho estiver na idade de entrar no colégio.

Por: Ag. Fight
Foto: Richard Pinheiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário