terça-feira, 8 de abril de 2014

Com um salário mínimo por mês, campeã do Jungle alterna aulas com treinos e visa o UFC

A batalha diária para custear treinamentos, pagar as contas e evoluir no cenário competitivo de uma modalidade esportiva não é uma exclusividade dos gramados do futebol. Tampouco das quadras de basquete. Ainda em ascensão, o MMA já arrebanha muitos nomes para esse limbo entre o sucesso e a realização profissional e o árduo caminho até que um atleta possa viver do esporte.

E é nesse cenário que está Larissa Pacheco, lutadora paraense de apenas 19 anos que defendeu com êxito seu cinturão peso-galo (61 kg) do Jungle Fight no último sábado (5) ao finalizar Lizianne Silveira com um triângulo, em evento realizado em São Paulo.

Com um cartel perfeito em dez apresentações no octógono, Larissa divide seu dia a dia entre o trabalho como funcionária pública, que lhe rende um salário mínimo por mês, as aulas no cursinho e os treinos de artes marciais, como revelou à Ag. Fight.





“Tenho alguns patrocínios de amigos, que me ajudam. Não vivo da luta. Trabalho como funcionária pública e estudo. Ganho um salario mínimo, e os patrocínios só chegam muito perto da luta. Fica complicado fazer tudo isso, mas ainda tenho o cursinho para tentar entrar na faculdade de educação física”, narra Larissa, sem perder o sorriso conquistado após a vitória.

Nos próximos meses, outro compromisso deve ser adicionado ao cotidiano da lutadora. Visivelmente menor e mais fraca do que as rivais que enfrenta, provavelmente pela pouca idade, Larissa pretende subir de peso.

A ideia, como é comum neste esporte, é ganhar massa muscular para ficar mais forte dentro da divisão dos galos. “Penso em ganhar mais peso, mais musculatura, e ficar mais forte. Estou conversando, mas a questão financeira é complicada. O MMA está crescendo agora, mas muita gente não acredita, ainda mais no feminino”, define.

Sem definições para seu futuro, a paraense prefere não fazer planos para 2013, mas não esconde a vontade de matar dois sonhos de uma só vez: lutar no exterior e aumentar a renda da família. “Eu espero não defender mais o cinturão do Jungle [risos]. Espero uma boa noticia em breve, mas se aparecer mais uma defesa, farei com toda a raça de sempre e darei tudo de mim novamente”.

Por: Ag. Fight
Foto: Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário