segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Juliana Lima vê título de 'xará' no TUF como bom sinal para estreia no UFC

A lutadora brasileira Juliana Lima foi pega de surpresa em novembro passado, quando o UFC anunciou seu nome entre as 11 atletas que seriam contratadas para a nova divisão peso-palha (até 52,2kg) feminina. A mineira ligou para seu empresário americano para conferir se era verdade e, quando veio a confirmação, chorou, gritou, passou a noite em claro, sem acreditar. A ficha demorou a cair, mas "Ju Thai", como é apelidada, já está se preparando para disputar o título, que estará em jogo na 20ª temporada do reality show The Ultimate Fighter nos EUA.

Juliana vai entrar na casa do programa com outras 15 mulheres (cinco serão escolhidas através de seletivas), e a vencedora do torneio será a primeira campeã da categoria no Ultimate. Será a segunda edição do TUF com torneio feminino, após o sucesso do TUF 18, vencido pela venezuelana Julianna Peña em novembro passado. Juliana Lima assistiu à temporada inteira, e se inspirou na campanha da "xará".

- Adorei (o TUF 18)! Pra começar, a campeã é minha xará! Sul-americana, e não era a favorita. Isso é um grande incentivo! Você não acha? (risos) - disse a brasileira ao Combate.com.





Apesar dos bons presságios, Ju Thai não vai confiar apenas em coincidências do destino em sua busca pelo cinturão. As gravações do TUF só começam em maio, e a mineira está usando os meses até lá para treinar e se preparar para a competição. O UFC prometeu pagar o equivalente a duas bolsas de luta e de vitória a cada uma das atletas contratadas para que elas não tivessem de competir enquanto esperam o início do programa, e Juliana vê isso como um investimento.

- É reconhecimento do trabalho, porque sinceramente, se eu for colocar no papel tudo que eu já gastei com gasolina, suplemento, alimentação, treinamento, remedio, enfim... Estou recebendo de volta... Quero colher os frutos sendo a campeã e, aí sim, poder pelo menos viver tranquilamente - afirmou.

Na casa, serão cerca de dois meses convivendo com outras 15 mulheres, falando inglês todos os dias. A única outra brasileira no programa será a potiguar Cláudia Gadelha, da equipe Nova União, a quem Juliana não conhece pessoalmente. A mineira já tem experiência no exterior: morou por um mês nos EUA em 2012 e treinou por dois meses na academia de Renzo Gracie em Nova York no ano passado. Porém, ainda considera seu nível na língua inglesa "básico".

- Tenho um inglês razoável, me comunico e entendo muito bem. Estudei no colégio, fiz cursos, depois parei por um tempo. Consigo me virar. Ter dificuldade em entender algumas coisas vai ser até bom, dependendo, sabe... Conviver com 15 mulheres querendo a mesma coisa vai ser difícil. Eu e mais 15 se matando pelo cinturão. Tenso... Imagina a convivência. Bom que já vou entrar no estilo mineiro de ser - brincou a lutadora.

Parece até coisa do destino que sua introdução ao grande público aconteça num programa de TV. Juliana lembra que começou a gostar de luta ainda criança, vendo filmes do "Karate Kid" e "Rocky, Um Lutador" na televisão.

- Socava a parede, sempre fui doida pra ser ninja. Colocava a camisa na cabeça e, junto com meu irmão, a gente subia telhado dos vizinhos. Brincava de ninja, eu era a ninja rosa e ele o ninja preto - riu ao se lembrar.

Há cerca de dez anos, Juliana passou a treinar muay thai e rapidamente se apaixonou pelo esporte. Cinco anos depois, começou a praticar jiu-jítsu, e estreou no MMA em 2010, com vitória no Brasil Fight 3. A partir daí, largou uma carreira de seis anos em turismo para se dedicar exclusivamente ao sonho de ser lutadora. Desde então, tem seis vitórias e uma derrota.

Na casa, promete ser uma boa companheira - desde que não atravessem seu caminho.

- Sou muito tranquila, sou educada, trato as pessoas bem, mas assim, sou um pouco nervosa também se pisam no meu calo. Não vou incorporar personagem nenhum, mas com certeza vocês verão uma menina esforçada que treina duro e sabe onde quer chegar, vou com um só objetivo, conquistar o cinturão! Brinco muito quando tenho liberdade para brincar, não sou organizada e sou muito pilhada, muito agitada, não paro um segundo, não consigo ficar parada e às vezes tenho insônia! (Risos) E adoro comer e cozinhar comidas saudáveis - contou.

Por: Adriano Albuquerque/Combate
Foto: Invicta FC e UFC

Nenhum comentário:

Postar um comentário